10 de out de 2008

I'm So Frida!


Soube que ela demorou a escolher o vestido em meio a todas as cores de seu guarda roupa. Vestiu pelo menos três, antes de bater a porta e sair de casa. Escolheu um pretinho clássico, com saia rodada e detalhes florais brancos discretos, contrastando com uma barra alaranjada de motivos indígenas que também aparecia na pala da blusa, de onde saltavam o amarelo vivo e o vermelho, que por sua vez se insinuavam sob um leve manto negro. Na cabeça flores, na pele cores. Brincos, anéis e colares, claro, ou não seria Frida.

Tinha planejado a viagem há algum tempo mas não estava sendo fácil se organizar em meio ao ócio; quem tem todo o tempo do mundo parece ter que justificar para si mesmo porque não consegue fazer o que deseja e/ou precisa entre o nascer e o por do sol. Mas há tempos ela havia cansado de dar satisfações sobre sua vida, é bem provável que tenha nascido assim; cabelinho na venta, como diria sua mãe.

Estava ansiosa, mas tentou disfarçar quando se viu em meio ao engarrafamento na entrada da cidade. Impossível que nao fosse chegar a tempo, havia comprado os ingressos com antecedência e feito planos para sair pelas ruas de São Francisco depois da exibição. Que mania essa gente tinha de correr para cidade grande nos finais de semana, todos na mesma hora, pensou, enquanto, parada, era atraída pela paisagem ao redor. Decidiu que talvez seria a hora de olhar um pouco através de outra janela que nao aquela que dava para sua própria imagem. Assim tinha sido durante sua vida inteira, olhar para espelhos e retratar a si mesma. Impossibilitada de andar desde aquele acidente terrível, não lhe restou outra alternativa durante um longo tempo a nao ser conversar com as imagens que fazia de si mesma enquanto aprendia a olhar para dentro. Frida pintava o que via no espelho, mas do lado do avesso. Agora estava ali, resistindo olhar pelo retrovisor para que pudesse perceber o que estava fora de seu alcance, no mundo exterior.

Antes mesmo que se desse por vencida, os carros começaram a se mover novamente e em poucos minutos ela estava em frente ao Museu de Arte, em busca de estacionamento. Faltavam 10 minutos para o início do evento. Pensou que se Dieguito ali estivesse, faria as honras da casa e a mandaria ir na frente para nao perder um minuto da exibição. Mas quem disse que ele não estava? Diego Riviera sempre esteve com ela, de uma forma tão passional que até mesmo a sua imagem no espelho o refletia.

Frida entrou quase correndo no salão principal do museu repleto de pessoas. Esperou em uma fila por mais algum tempo até que dessem sinal para que entrasse na sala. Foi então que a encontrei. Desde o momento em que nossos olhos se cruzaram no meio de toda aquela gente que parecia estar parada, como os carros na entrada da cidade, nos reconhecemos. Nos fitamos por um longo período e quase nos arrastamos, de tela em tela, sem nos perdermos de vista. Eu com os olhos nela, ela com os olhos em mim. Igualmente expostas, passeamos por nossos atalhos pessoais, nos encontramos em algumas esquinas e então estivemos a anos luz de distância em outras. Definitivamente, faltavam algumas cores na minha aquarela que ela tinha de sobra. Achei que, em seu lugar, não suportaria tanta dor e que, se assim fosse, não tornaria isso público mas, no caso de fazê-lo, não seria tão literal e...a neguei três mil vezes antes de concluir que nunca havia me sentido so Frida!

Impressoes pos-exposicao de Frida Kahlo no MOMA de Sao Francisco, em 27 de Setembro de 2008

Posted by Picasa

30 de ago de 2008

Neologizando



Somos enrugáveis. Apesar dos cremes rejuvenescedores, do raio laser, do botox, da clínicas reparadoras, das vitaminas, das medidas preventivas, da medicina ortomolecular.

Somos irremediavelmente envelhecíveis. Apesar da ciência, dos produtos orgânicos, da lipoaspiração, do dinheiro, das esteiras ergométricas, da fama, da yoga, pilates e exercícios de meditação.

Encolhíveis, mancháveis, desidratáveis, debilitáveis, enfraquecíveis, morríveis, enterráveis.
E tão somente por isso, absolutamente memoráveis.
Posted by Picasa

17 de ago de 2008

E por falar em saudade...


Parei de brigar com a saudade quando era ainda uma garota. Cheguei a pensar que depois disso seríamos amigas e viveríamos felizes para sempre, mas isso aconteceu na mesma época em que deixei de acreditar em contos de fadas e então não houve mais jeito. Fizemos portanto um pacto. Viveríamos uma relação de fachada e nos suportaríamos mutuamente em nome da moral e dos bons costumes, como se passa com qualquer príncipe e princesa depois da última página do livro. E, como não poderia deixar de ser, comecei a inventar uma porção de desculpas esfarrapadas para justificar a permanência dela em minha vida. Feliz daquele que sente saudade, pensava eu com uma certa desconfiança, sinal de que se viveu algo significativo que nos mobilzou e agora nos faz falta. Mas esta é apenas a mais clássica. Há uma série de frases feitas que, confesso, acabam ajudando a retomar o rítmo da vida quando a saudade nos coloca em um estado letárgico e nos faz acreditar que nunca mais seremos os mesmos. Mas aí eu tenho até que concordar com ela. Ninguém sai impune depois de lidar com o vazio, mesmo sabendo que se manifesta de maneiras diferentes. Há aqueles vazios temporários, que a gente sabe ou acredita que voltará a ser preenchido mais cedo ou mais tarde e há aqueles que são do tipo mais profundo, onde se está certo de que nada pode preenchê-lo, pelo menos não com o que conhecemos a princípio. Mas seja qual for o tipo de saudade que se venha a sentir, daquelas que passam rapidinho, as que duram para sempre ou, ainda, aquelas do pior tipo, quando a gente nem viveu ainda a perda, mas já antecipa a dor, cabe a você decidir como vai reagir ao tal sentimento que faz doer mais do que qualquer outro. Se a gente ocupar o vazio com os próprios sonhos, vai descobrir que, apesar das lembranças do que se viveu e da dor por isso não estar mais acessível, o melhor é parar de olhar pra dentro, pra profundidade do vazio, e buscar onde fica a montanha que se formou com o que foi retirado do buraco que surgiu na alma. Lá do topo, o mundo vai parecer muito mais fascinante. Posted by Picasa

29 de jul de 2008

BOLETIM MÉDICO- a quem interessar possa

Nem só de paparazzi vivem as celebridades. Se no lugar de impacientes com os flashes e a falta de privacidade se tornarem pacientes e vulneráveis na cama de um hospital, um outro elemento se encarregará de deixar a opinião pública (leia-se curiosos) informados sobre seu estado: os boletins médicos. Aguardados ansiosamente, divulgados amplamente e comentados indiscriminadamente, se tornaram um procedimento a mais na rotina dos médicos. Em pouco tempo, os formandos do curso de medicina terão que completar a frase no juramento de Hipócrates: "Àquilo que no exercício ou fora do exercício da profissão e no convívio da sociedade, eu tiver visto ou ouvido, que não seja preciso divulgar, eu conservarei inteiramente secreto" ... tudo o mais eu deixarei minunciosamente registrado em um Boletim Médico, que será livremente repassado, interpretado, quando não deturpado, por aqueles a quem a informação possa interessar diretamente ou não.

Sparks, 29 de julho de 2008, 8:00 PM.

Paciente: Adriana Horta Fernandes

No vigésimo quarto dia, desde que soube ser portadora de uma disfunção de natureza física de caráter permanente, uma dislipedemia* de ordem genética, depois de uma crise de faniquito agudo, com direito a baixa em hospital e tudo, mantém, por ora, estado clínico geral estável.

Nas últimas horas, evoluiu com quadro de perda de peso, devidamente justificado pela dieta sem direito às coisas boas da vida, como massas, açúcar e gorduras ( calma, restam as fibras!). Além disso, a enfermidade está sendo tratada com doses sistemáticas de exercícios aeróbicos, minutos de meditação e controlados com o uso de medicamento.

A paciente permanece consciente, certa de que deverá seguir rigidamente as recomendações médicas, a fim de evitar, antes de mais nada, que os sobressaltos com as contas médico-hospitalares que já começaram a chegar (alguém falou em saúde pública? Não aqui, na terra de Tio Sam!), lhe roubem o que lhe resta de energia e da poupança para a compra da casa. A mesma se encontra no quarto(na sala, na cozinha, por onde anda) sob terapia medicamentosa e suporte nutricional.

*Dislipedemia: “alto colesterol e triglicérides no sangue que combinados a outros fatores de risco podem levar ao infarto, derrame cerebral, invalidez precoce e morte” ( poderia eu não apresentar sintomas da crise do pânico com uma definição dessas?)

"Dizziness" -Acrilico sobre tela- Roberto Lessa Junior-2007

16 de jun de 2008

Testamento Aberto


DA DIVISÃO DOS BENS NÃO-MATERIAIS-ainda em vida

-Para Juliana de Boni Fernandes, minha sobrinha, deixo o meu jeito de sorrir e a maneira de revelar com os olhos que se está feliz. Além disso, herdará a forma de se relacionar com as pessoas que ama , embora sendo ela senhora de uma naturalidade ímpar que há muito tempo já perdi.

-Deixo também a mania de escrever cartinhas, de colecionar amigos, de puxar assunto, de fazer perguntas que não têm respostas, de distribuir abraços e beijos e rir de bobagens, de chorar de saudade, de expressar o que sente, de viajar na garupa de um cavalinho misterioso e cuidar de uma bonequinha preta.

-Finalmente, será dela, a partir de hoje e então para sempre, o desejo de que o mundo venha a ser mais justo, mais colorido, mais alegre, mais criativo, mais tolerante, mais a sua cara.

Assim seja.


Posted by Picasa

9 de jun de 2008

São Francisco: 30 Imagens 100 Palavras






1. Charme 2. EsTiLo 3. Releitura






4.Signo 5. Símbolo 6. Sabor 7. Saudade






8.Vermelho 9. Trânsito 10.Deslize




11.Fantasia 12. Dia







13.Folego 14. Encanto








15.Preto 16. Dourado 17. Sinfonia




18.Marrom 19. Laranja 20. Azuis 21. Rosa









22.Sintonia 23. Fria




24.Velho 25. Fundos 26. Arte 27. Moderno





28.Espera.............................29.Melhor............. 30. Amigo




31.Ofício 32. Diversão 33. Mão 34. Contramão







35.Plástico 36. Lixo 37. Luxo 38. Plástica






39.Negro 40.Branco 41. Rubro 42. Batuque 43.Sombras


44.DiferentE 45. Iguais 46. Jornais

47. Busca 48. Viagem 49. Letras





50.Trilhos 51. Encontro 52. Passagem




53.Palco 54. Público 55. Preguiça







56. Aço 57. Sensação 58. Céu 59. Seu




60.Cartazes 61. Apelos 62. Opostos






63.Cores 64. Kahlo 65. Próxima ida 66. Frida




67.Transeuntes 68. Pressa 69. Arranha 70. Céus




71.FORMA 72. Luz

73. Esquina



74.São 75. Plural 76. Francisco 77. Singular


78. DiFerEnçAs


79. igualdade








80.Flores 81. Reflexo 82. 18 oxelfeR







83.Turquesa 84. Turquesas






85. Modo 86. de 87. USAr 88. Preservar







89.Aberto 90. Comércio 91. Escambo







92.Natureza 93. Cultura 94. Contracultura







95.Oferta 96. Calçada 97. Verniz









98. Irreverencia 99. Protesto 100. sem


World Naked Bike Ride-protesto contra a dependência do petroleo no mundo



Photos: Adriana Fernandes/ Marcus Resende

Caminhando por


São Francisco, CA Junho 7, 2008

Como dizem por aí:

“Anything goes in San Francisco.”

Posted by Picasa

25 de mai de 2008

Necessidade e DeSeJo


A sacola era bonitinha ou, na melhor das hipóteses, original. Preta por fora, rodeada por um zipper multicor que, quando aberto, mostrava um interior decorado por figuras japonesas, tipo cartoon, em um tecido fino de nylon. Havia um chaveiro pendurado de um bonequinho não identificado, preso a um detalhe em couro. Pois bem, o detalhe em couro foi o primeiro sinal de que aquela sacola perdida em meio a tantas outras, na minha loja de objetos usados preferida, poderia ser um objeto de um certo valor. Não que eu me empenhe intencionalmente em achar tesouros onde a princípio só se vê traças e bolor; minha sincera intenção em uma loja desse tipo é me divertir. Entenda-se por diversão a relação lúdica estabelecida com os objetos ali dispostos, irremediavelmente ofertados, uma vez que, desprezados por outrem, muitas vezes injustamente, parecem pedir para serem levados para casa. Eu, por minha vez, me sinto atraída por esse jogo, certamente terapêutico, e tiro vantagem do prazer de poder decidir o que vai e o que fica. Pois bem, sem saber definitivamente nada sobre a tal sacola de estilo pós-moderno anotei cuidadosamente na mente o nome sonoro bordado no bolso da frente: Tokidoki for Lesportsac. Para completar, escondi a mesma atrás de todas as outras disponíveis para ganhar tempo, caso decidisse voltar para pegá-la depois de fazer uma pesquisa básica no Google sobre a origem do achado de inspiração japonesa com um nome puxado para o francês.

A verdade é que tive que voltar correndo à loja, a sacola com motivos criados pelo designer italiano Simone Legno, pra lá de fashion, estava cotada no Ebay por trezentos dólares e o anúncio dizia que a padronagem era rara e estava se tornando cobiçada por colecionadores. Como essa história tem final feliz, a sacola estava lá, esperando por mim. Olhei desconfiada para a mesma, afinal o site oficial da Tokidoki fazia um alerta para as imitações que estavam sendo vendidas mundo afora e dava orientações detalhadas sobre o que deveria se buscar em uma original. Conferi a marca que deveria constar na parte interna do zipper colorido, a etiqueta que indicava que era feita na China e não nos Estados Unidos, a impressão da marca que deveria estar nos dois lados dos ganchos de metal... tudo conferia. A sacola de dez dólares era mesmo original.

Ao voltar para casa, percebi que junto com a sacola trouxe uma série de dúvidas, como por exemplo, como conseguimos sobreviver nós, os mortais preocupados com as contas a pagar, a compra da casa própria, o plano de aposentadoria e, quando dá tempo, com a viagem de nossos sonhos, sem nos dar conta do universo paralelo que dificilmente cruza nossa rotina, onde objetos simples são agregados a valores e conceitos inimagináveis para não dizer, para nós, impagáveis.

Longe de mim ser irônica. Impossível não lembrar dos Titãs sem me emocionar: “ A gente não quer só comida, a gente quer comida, diversão e arte”. O problema é que até a comida tá chegando com um certo esforço.

Mas a dúvida maior permanece. O que fazer com a bolsa de nylon com detalhes em couro, que traz em seu interior a expressão genuína do amor de um artista italiano pela cultura japonesa, em parceria com uma bem sucedida empresa americana, que repousa no carpete ao lado da cama de uma por ora desempregada a espera de um destino digno (quer seja pra ela ou pra mim)? Se você tiver tempo, entre um pão e outro de cada dia, manda sugestões nessa página. Se já ta com a vida ganha, estou aceitando ofertas, em dinheiro, pela sacola do nylon de ouro.

Para saber mais sobre a Tokidoki e a Lesportsac:

http://blog.fernandaweber.com/2007/03/07/tokidoki-for-lesport-sac/#comments

http://aletp.com/2007/01/18/toy-art-nova-epidemia/
Posted by Picasa

17 de abr de 2008

Spring, AAAAAtchin


A primavera, por aqui chamada de spring, enche os olhos. Sair de casa depois de um longo inverno e se deparar com as árvores enfeitadas de flores é sempre convidativo, principalmente para quem tem mania de tirar lição de tudo. Sim, a primavera é um prato cheio para os poetas de plantão, os filósofos do cotidiano, os esperançosos de carteirinha e para os especialistas das 4 estações, que têm sempre um jeitinho de mostrar que há muito o que se aprender com o ir e vir das folhas e flores enquanto a terra faz sua volta completa ao redor do sol.

Mas há algo mais a ser dito sobre a primavera, caso você consiga se fazer entender entre um espirro e outro. A prima...atchim... vera, literalmente lhe rouba o fôlego e quase o impede de respirar. A primavera enche os olhos, sim, que lacrimejam sem parar, impedindo que se leia um simples livro enquanto convalesce da enfermidade. E não adianta querer se entupir de anti-alérgicos e analgésicos para não perder o espetáculo lá fora, é preciso uma certa dose de resignação para que o corpo se adapte à nova atmosfera. Melhor se entregar nos braços da doença e deixar que ela cuide de você e então aprender a tirar vantagem do fato de estar impossibilitado de cumprir com as atividades rotineiras. Uma caixa de lenços de papel e aquelas balinhas que aliviam a tosse, leite queimado e chá com limão, qualquer paliativo é válido para compor o cenário.

Mas o melhor de tudo quando se está nesse estado é aproveitar o carinho redobrado dos que estão por perto, seja na vida real ou virtual... AAAAAAAtchim!

Posted by Picasa

4 de mar de 2008

56 Coisas que eu Sei

"Tetroid with 56 Triangles, 8 colors"- Carlo Séquin

1- Se eu fechar os olhos posso sentir facilmente a sensação de estar em cada um dos lugares em que já morei.

2- Tenho amigas que são como irmãs e penso nelas todos os dias.

3- Guardo cartas antigas desde o tempo em que tinha 11 anos de idade. Já tentei me desfazer de algumas, por achar que ocupam muito espaço nos armários, mas sempre acabo deixando para depois. Acho que quando ficar bem velhinha vou me divertir em relê-las.

4- Me ressinto por algumas coisas que fiz e mais ainda por outras que não fiz. Mas isso não quer dizer que não possa fazê-las um dia. Tenho esperança.

5- Uma vez, na pressa de estacionar o carro e correr para uma reunião de trabalho, arranquei o retrovisor do veículo de trás que estava estacionado. Na ausência do dono do carro avariado, mesmo atrasada, deixei um bilhete com meu telefone para que me ligasse em seguida e eu pudesse reparar o erro. Senti orgulho de mim mesma por ter vencido a tentação de sair sem deixar vestígios.

6- Nenhuma sensação das que já senti até hoje se compara ao momento em que recebi meus filhos em meus braços, depois do parto, e lhes fiz calar o choro com o meu calor. Todas as vezes em que vejo os vídeos me emociono.

7-Falo com Deus em voz alta quando estou sozinha, assim como faço com meu pai, desde que ele se foi. Não sei o que me faz crer que eles podem me ouvir.

8- Sofro de véspera, mesmo sabendo que não vale a pena.

9- Às vezes acho que poderia ter sido artista plástica, atriz, escritora. Outras acho que me daria bem realizando um serviço burocrático. Acho difícil me despedir antes de uma viagem, mas adoraria fazer um trabalho que me exigisse voar pelo mundo inteiro. Cansei de ser professora e passo o tempo todo usando meu talento de educadora em minha rotina. Hoje sei lidar melhor com as contradições.

10- Um dia vou publicar meus livros infantis.

11- No outono, eu sempre dirijo com receio de que meu fascinio pelas folhas, que ganham novas cores antes de cair, faça com que eu provoque um acidente.

12- Eu já tive uma meia de listras de lurex, aquelas cheias de brilho, que usei no auge das discotecas. Meus filhos não acreditam que fui capaz disso.

13- Eu adoro formar pares entre as pessoas que conheço na intenção de que venham a ficar juntas um dia, isso vale, inclusive, para meus filhos e os filhos dos amigos queridos. Nunca vi resultado algum em meus esforços.

14- Não gosto de falar palavrões, mas se estou muito zangada com algo que não saiu como o desejado, deixo que alguns poucos escapem.

15- Gosto de cantar quando Marcus toca violão, mesmo que ele insista que é um músico medíocre. Deixei declarado que só me entreguei perdidamente a ele quando vi que tocava a maioria das minhas músicas preferidas.

16- Fico sem saber o que fazer quando tenho pouca coisa para realizar. Me organizo melhor quando as tarefas se sobrepõe.

17- Sempre que começo a pintar um quadro ou escrever um texto acho que não vai ficar como imaginei e penso em desistir. Depois que termino, me sinto agradecida por ter superado o receio infundado.

18- Não me aborreço quando viro motivo de gozação por causa de minhas constantes distrações; aprendi o valor de rir de mim mesma. Mas confesso que às vezes nem sei como fui capaz de cometer tamanho deslize.

19- Eu já fumei uma carteira de cigarro inteirinha de uma vez, sem tragar, quando tinha 13 anos, tomando banho em uma banheira na casa de minha irmã, que havia saído. Passei tão mal depois disso que jamais coloquei um cigarro na boca outra vez desde então.

20- Não consigo me conformar com o fato de não conhecer a Europa, ainda.

21-Evito falar tudo que penso quando estou magoada com alguém. Me sinto vulnerável um segundo depois da explosão e sempre me arrependo do que fiz mais tarde.

22- ADORO comprar nas lojas de usados. Fico muito contente quando encontro algo que me agrada no meio de uma porção de coisas de gosto duvidoso. Funciona como uma terapia.

23- Não me importo de perder no jogo, prefiro me contentar com o fato de estar me divertindo durante a partida. Acho engraçado quem leva isso a sério e se descontrola frente a situação. Por outro lado, perder alguém é sempre muito difícil

24- Acho que deveria ser proibido guardar um livro depois de lido. Eu criaria uma lei que o mesmo voltaria para as bibliotecas para ser lido por pessoas que não tenham condições de comprá-lo ou ainda para quem quisesse consultar o texto outra vez.

25- Eu realmente não estou certa de que as teses e dissertações de mestrado e dotourado, em sua maioria, tenham uma função social, a menos que elas fossem melhor divulgadas entre as comunidades envolvidas na pesquisa e/ou profissionais da área interessados no tema. Um título a mais no curriculo em si não vale o trabalho de uma pesquisa.

26- Sou orgulhosa da coragem de minha irmã e me sinto protegida por ela. Admiro o caráter de meus irmãos. Sou agradecida pela dedicação de minhas cunhadas e pelo carinho dos sobrinhos. Família é fundamental.

27- Ter quatro filhos, que não vieram todos de mim, e saber que se consideram irmãos, é gratificante. Saber que respeitam as diferenças e também as valorizam, que têm sonhos e são abertos ao novo, me encanta. Gosto de ser mãe.

28- Compro uma briga na rua se vir alguém ser injustiçado, humilhado ou discriminado por ser diferente da maioria. Já fiz isso algumas vezes e não me arrependi.

29- Sou capaz de me perder dentro da minha própria casa. Não me furto em parar trezentas vezes para perguntar sobre uma direção quando me perco na rua. A volta é sempre tão difícil quanto a ida. Acho que a melhor invenção da última década foi o GPS.

30- Já deixei muitas vezes a bolsa, o celular, a chave do carro e outros pertences em lugares inimagináveis. Não deixaria um amigo na mão.

31- Adoro o fato de que os filhos de meus grandes amigos são amigos de meus filhos. Revendo os vídeos dos aniversários de quando eram pequenos, observo que a maioria absoluta dos convidados presentes ainda participam de nossas vidas.

32- Já encontrei por acaso em uma loja de objetos usados em Campbellsville, um CD da Gal Costa cantando Tom Jobin que me pertencia antes de tê-lo emprestado a uma conhecida americana que desapareceu com o mesmo. Paguei dois dólares para reavê-lo. Passei a acreditar em coincidências.

33- Já fiquei parada em frente a um quadro do Van Gogh, hipnotizada pela luz traduzida nas pinceladas rápidas.

34- Fiz uma trilha com cartinhas e cartões que eu e Marcus trocamos desde que nos conhecemos que atravessou a casa toda. Foi quando fizemos 10 anos de casados e eu queria presenteá-lo com uma retrospectiva de nossa história. Confesso que eu mesma me surpreendi com o volume do material e me deleitei por longas horas sobre as palavras tão benditas.

35- Já sonhei que era um anjo da guarda.

36- Não há nada como encontrar um amigo distante há anos nas páginas virtuais e ver que ele ainda lembra de você. Sem falar nas pessoas que você provavelmente nunca irá encontrar no mundo real e cujo os textos são capazes de lhe mobilizar. Dá vontade de convidar pra vir em casa tomar um lanche na mesa da cozinha.

37- Adoro café com canela e bolo de banana, feijão com arroz e bife, suco de maracujá e sobremesa de abacaxi.

38- Cozinhar, misturar os ingredientes distintos, determinar as porçoes e acrescentar algo novo às receitas dos livros é estimulante. Provar durante o processo é essencial. Convidar alguém para sentar-se a mesa é ímpar.

39- Descobrir que minha mãe é agora minha filha me faz amá-la mais e mais.

40- A pessoa que mais me inspirou e me estimulou em minha vida foi meu pai. Serei eternamente grata por ter sido sujeito de seu amor incondicional.

41- Admiro quem sabe falar NÃO sem perder a ternura. Tenho me esforçado para dizer o que penso sem me sentir culpada; tarefa árdua, confesso.

42- Tenho admiração por quem já pulou de pára-quedas.

43- Já tive uma moto e dirigi sem carteira.

44- Um dia vou dar um passeio de balão.

45- Quando encontro alguém que gosto, logo imagino que seremos amigos para sempre. Quase sempre funciona.

46- Tenho tensão pré menstrual e então me irrito facilmente com coisas que normalmente mantenho sob controle. Percebo isso mas não sei como reverter o quadro. Muitas vezes vou dormir para não correr o risco de magoar alguém que não merece ser alvo de ataques gratuitos. Nem sempre dá tempo de chegar até a cama.

47- Sei perdoar com facilidade e algumas vezes ate consigo esquecer o que passou. Outras não.

48- Existem livros que, enquanto leio, desejo a cada página ter sido a autora daquelas linhas.

49- Me divirto conversando com crianças sobre histórias imaginárias. Depois escrevo sobre elas.

50- Acredito naquela molinha que fica no fundo do poço e nos impulsiona de volta ao topo quando a gente chega lá em baixo.

51- Só faria uma tatuagem se fosse em um lugar casualmente visível, como na nuca.

52- Faço xixi nas calças de tanto rir.

53- Uso os mesmos perfumes por anos. Sou conservadora em matéria de aromas.

54- Não me preocupo em envelhecer fisicamente, até porque já aprendi a me incomodar apenas com que eu posso modificar. Decidi que vou gostar de dar as mãos ao tempo e seguir com ele, caso ele não ande assim tão depressa.

55- Fico feliz da vida quando comentam sobre meus posts, inclusive quando sugerem reparos.

56- Ficaria aqui o dia inteiro, pensando em outras coisas que eu sei, mas minha vontade de publicá-las fala mais alto. Esperar por amanhã seria correr o risco de uma série de mudanças. Melhor, portanto, que o faça agora.

Passeando por outras páginas, encontrei o Blog da Milena, uma panamenha que mora no Texas desde muito criança e tem uma escrita impecável. Os deuses virtuais costumam nos surpreender quando saímos buscando atalhos rede afora. Ela por sua vez havia se deparado com o Blog da Amanda em seus passeios e gostou do post "82 coisas". Pediu permissão para usar a idéia e escreveu ela mesma "40 coisinhas e algumas confissões"(tradução minha). Foi então minha vez de pedir a ela que me deixasse seguir o mesmo rumo, o que foi concedido com uma gentileza ímpar. A blogosfera tem disso, uma troca real com pessoas que você não conhece e talvez nunca venha a conhecer, mas que se relacionam como grandes amigos. Mile, I'm still waiting for you to have some coffee over here at any time! I can also bake a banana cake to go with it! ¡Muchas gracias por ser una inspiración para mí!

Posted by Picasa

27 de fev de 2008

Análise combinatória


Eles eram quatro e eram irmãos.
Dois e dois.
Quatro também eram seus pais.
Dois e dois.


Os meninos nasceram no mesmo ano.
As meninas chegaram ao mundo no mesmo mês de anos consecutivos.
Decidiram, os quatro, que irmãos seriam, assim que seus destinos se cruzaram.
Nina, Dani, Matheus e Lipe.
Já não sei mais quem é irmão de quem.


Dizem que Nina é irmã de Lipe, porque trazem o mesmo tom de marrom sobre a pele, porque não choram nas despedidas, porque são determinados em seus objetivos e não se distraem com as armadilhas da emoção.

Dizem que Dani é irmã de Matheus porque ficam vermelhos quando tomam sol, derramam litros de lágrimas na hora de dizer adeus, porque são sensíveis aos assuntos do coração, porque pensam sempre nos outros antes de tomar uma decisão em causa própria.

Mas dizem também que Lipe e Matheus são irmãos porque adoram abraços e beijos e que lhes façam cosquinhas nas costas.

E que Dani e Nina são irmãs porque têm talentos artísticos que combinam entre si, uma toca , a outra dança e as duas cantam.

Porém, há quem diga que Dani e Lipe são irmãos porque se complementam, ela é a cigarra e ele é a formiga.

E que Nina e Matheus são irmãos porque juntos são imbatíveis, como a mistura da razão e da sensibilidade.


Eles são quatro. Tão iguais e tão diferentes.
Como convém aos verdadeiros irmãos.

Posted by Picasa