1 de jun de 2016

Sobre a nem Sempre Confortável Zona de Conforto


Está bem, você já explicou e eu entendi que parece mais fácil ficar onde está e com quem está, afinal de contas o cenário é familiar, os personagens já se conhecem e, na medida do impossível, se suportam, quando não estão se odiando. Isso vale pra casais, tanto quanto pra relações de trabalho, filhos adultos, amigos, relacionamentos em geral. Mas não me venha falar de zona de conforto quando o que você está fazendo é nada menos que destilar por aí o seu desconforto.       

A menos que você seja masoquista e passe a assumir isso publicamente, ou mesmo para si ou ainda para o sujeito de suas queixas, vamos combinar que “zona de conforto” não é exatamente o lugar em que você diz se encontrar agora. Entenda-se por conforto, como bem rezam os dicionários, bem estar, aconchego. Se não é isso que você sente ao explicar porque não se move rumo ao desconhecido, vamos considerar que pode estar mesmo acostumado com o desconforto. E isso acontece com mais frequência do que você e eu pensamos.  

Às vezes a gente pode não se dar conta que tem vivido sob o signo do desconforto há um certo tempo. Muitas vezes acostumados a sermos destratados, explorados, avacalhados, desprezados, a trabalharmos pra pagar as contas e nada mais do que isso, a sermos avaliados de forma mesquinha, obrigados a só dizer sim, a só recebermos amor e atenção em troca de algo, a (nos) perdermos, a escorregamos nos tapetes indevidamente puxados… que qualquer coisa que sai desse padrão parece pouco com a aquilo que chamados de zona de conforto.

Não vamos entrar aqui no mérito das possíveis causas para comportamentos do tipo. Isso a gente deixa pra os psicólogos decidirem, se é que servirá para algo no futuro.  Se você suspeita que a forma como seus pais o trataram ou deixaram de tratar foi ou é imperdoável, que aquela professora que fez com que você copiasse a mesma frase 200 vezes o deixou bloqueado, que seu primeiro chefe, que morria de inveja de você e por isso o tratava com desdém, o impede de crescer profissionalmente, ou ainda que as sequelas do último relacionamento  amoroso o tornaram  escaldado,  passe a duvidar de todas estas premissas.  Isso mesmo, duvide.

Bata o pé e diga a si mesmo que nada disso faz sentido. Que você é capaz de resistir aos desafios naturais, e ainda, segundo Darwin, estará contribuindo para que sua nova atitude seja herdada pelos seus sucessores, sem falar em seus contemporâneos, que terão mais condições de sobreviver às intempéries da vida do que os que se sentem confortáveis frente ao desconforto.  Portando, caso não consiga se mover em nome de si mesmo ou si mesma, faça-o em nome da evolução da espécie. No final, todo mundo sairá ganhando. Até você.